Resenha - Jogo Infinito por James Dashner

By | sábado, março 07, 2015 Deixe o seu comentário

 É impressionante, ágil e, claro, alucinante.


Título Original: The Eyes of Mind

Editora: V&R

Número de Páginas: 300

Ano de Lançamento: 2014

Onde comprar: Cultura | Saraiva | Amazon




    Jogo Infinito é o primeiro volume da série Doutrina da Morte, escrita por James Dashner.

    Michael é um gamer e, como todo gamer, passa a maior parte de seu tempo no VirtNet (um jogo de realidade virtual). A maior parte da população usa seu tempo livre nele. É como um The Sims, só que o mais real possível.
Certo dia, o garoto acaba tendo que salvar uma garota em uma missão, mas da tudo errado e a menina se mata. Com a sua morte, ela deixa uma mensagem que vai mudar completamente a história de Michael, dos jogadores do VirtNet e da humanidade.

     Estou pagando por cada palavra que falei de Maze Runner. Para quem não sabe, Jogo Infinito é do mesmo autor da saga dos Clareanos e, bem, eu não tive um contato muito amigável com o autor na primeira vez. Porém, o primeiro volume de Doutrina da Morte me surpreendeu BASTANTE!
Enfim, vamos para a resenha.

     Eu comecei este livro sem expectativa alguma e já estava pronto para o pior: decepção. Eis que me deparo com uma trama incrivelmente bem elaborada e escrita. De início é meio confuso, mas com o decorrer das páginas, as coisas vão sendo postas no eixo.

      Dashner apresentou uma grande jornada logo nos primeiros capítulos e fui fisgado pelo grande mistério que começa a assolar a vida de Michael e seus amigos. Logo após, James apresenta o leitor o plot da série. Logo o empurra para a missão à ser cumprida.
Resultado: muita ansiedade, desespero e, logicamente, angústia.

       Neste livro, James Dashner não tentou criar muitos mistérios e decidiu focar na aventura dos personagens, o que eu achei bacana, pois em Maze Runner, Dashner acabou se perdendo legal. Então não se preocupem de acabar havendo contradições no decorrer DESTE tomo.

      Eu achei muito legal o desenvolvimento.Tanto o desenvolvimento dos personagens quanto da trama. Sobre os personagens: ao meu ver, foram planejados de uma forma que cada um tivesse destaque e não acabasse focando apenas em um. E eu simplesmente achei o vilão fantástico e bem macabro.
Já sobre a trama: para mim, foi bem elaborada, não envolveu muitos mistérios e, se tudo der certo (espero que dê), vou ter respostas ao final da jornada de Michael. E o modo com as revelações foram sendo dadas foi ótimo. Além de tudo isto, o gancho deixado foi estupendo.

     O único problema que tive foi com a ambientação da história. Não sabemos o que aconteceu para ter tantos avanços tecnológicos e nem nos é explicado o motivo de todas as pessoas estarem submersas no VirtNet. A impressão que deixou era que eu não estava em uma distopia.Parecia que eu estava no mundo atual. Vai entender...
Esse foi o único deslize cometido por Dashner. Porém, dá para relevar.

     Enfim, indico MUITOOOOOOOOOOOOOOOOOO Jogo Infinito. É impressionante, ágil e, claro, alucinante. Se você tiver oportunidade de lê-lo, leia. Não irá se arrepender.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: